::Confraria do Júri::

Se você é promotor ou procurador de Justiça, associe-se à Confraria do Júri. Saiba como: confrariadojuri@uol.com.br - Confraria do Júri

 
 

 

      

Enquete

Você é a favor da ampliação da competência do Tribunal do Júri para outros crimes seguidos de morte?
 
Sim, para qualquer crime doloso seguido de morte.
Sim, com exceção do estupro seguido de morte.
Não. A competência do Tribunal do Júri deve permanecer a mesma.
Não tenho opinião formada.

 
Ver resultados
 
  
  
     Artigos
 
16/06/2017  - Prisão de réu condenado por decisão do Tribunal do Júri, ainda que sujeita a recurso, não viola o princípio constitucional da presunção de inocência ou não-culpabilidade
 
Ricardo Antonio Andreucci, procurador de Justiça Criminal do Ministério Público de São Paulo. Doutor e Mestre em Direito. Pós-doutor pela Universidade Federal de Messina – Itália. Coordenador pedagógico do COMPLEXO DE ENSINO ANDREUCCI. Professor universitário de cursos preparatórios para ingresso nas Carreiras Jurídicas e OAB. Autor de diversas obras publicadas pela Editora Saraiva. Articulista e palestrante.

Essa foi a tese de julgamento do “Habeas Corpus” nº 118.770/SP, da 1ª Turma do Supremo Tribunal Federal, em que prevaleceu o voto do Ministro Luís Roberto Barroso.

Discutiu-se no referido HC se haveria constrangimento ilegal na manutenção da prisão de réu condenado em primeira instância, pelo Tribunal do Júri da Comarca de Ibiúna/SP, a 25 anos de reclusão pela prática de crimes de homicídio qualificado.

A questão de fundo, que permeia as alegações da defesa, é a prevalência do princípio da presunção de inocência, a ensejar a permanência do réu em liberdade até que esgotadas as vias recursais, pertencendo a constrição decorrente de título condenatório provisório ao campo da excepcionalidade.

Cederia o princípio da presunção de inocência ou não-culpabilidade à soberania dos veredictos nos julgamentos pelo Tribunal do Júri?

Conforme já tivemos oportunidade de mencionar em artigo anterior, a soberania dos veredictos é questão de extrema relevância, que nos remete a um dos fundamentos constitucionais do Júri.

A Carta de 1988 dispõe, no art. 5º, XXXVIII:

“Art. 5º (…) XXXVIII – é reconhecida a instituição do júri, com a organização que lhe der a lei, assegurados:

a) a plenitude de defesa;

b) o sigilo das votações;

c) a soberania dos veredictos;

d) a competência para o julgamento dos crimes dolosos contra a vida.”

Assim, não obstante se observem outros princípios constitucionais assegurados a todos os julgamentos (devido processo legal, ampla defesa, contraditório etc) o art. 5º, XXXVIII, da Constituição Federal, enumera os quatro princípios fundamentais pertinentes ao Tribunal do Júri, sendo a soberania dos veredictos aquele de maior envergadura democrática, na medida em que a vontade do povo se manifesta pura e cristalinamente, sem interferência da ciência do Direito, revelando a Justiça em sua forma mais explícita, se sobrepondo a qualquer outro postulado, por correto que seja.

Assim é que a decisão dos jurados acerca, basicamente, da autoria e da materialidade do crime, não pode ser modificada pelo Tribunal superior em grau de recurso. Não pode a apelação substituir a soberana decisão do Júri, podendo o Tribunal “ad quem”, no máximo, determinar a realização de outro julgamento, uma única vez, caso considere a decisão dos jurados manifestamente contrária à prova dos autos (art. 593, III, “d”, CPP). Não pode o Tribunal “ad quem” dar às provas interpretação divergente, sob pena de violação do princípio da soberania dos vereditos. A apelação fundamentada no art. 593, III, “d”, do CP (decisão dos jurados manifestamente contrária à prova dos autos) pressupõe, em homenagem à soberania dos veredictos, decisão dissociada das provas amealhadas no curso do processo. Optando os jurados por uma das versões factíveis apresentadas em plenário, impõe-se a manutenção do quanto assentado pelo Conselho de Sentença.

Andou bem, a nosso ver, a 1ª Turma do Supremo Tribunal Federal ao prestigiar o preciso voto do eminente Ministro Luís Roberto Barroso, restando consignado na ementa “que os tribunais não podem substituir a decisão proferida pelo júri popular.”

Em decorrência disso, deve prevalecer a decisão soberana de condenação, ensejando o imediato início do cumprimento de pena, independentemente do esgotamento das vias recursais, sem qualquer mácula ao princípio da presunção de inocência ou não-culpabilidade.

E prossegue a ementa: “Diante disso, não viola o princípio da presunção de inocência ou da não-culpabilidade a execução da condenação pelo Tribunal do Júri, independentemente do julgamento da apelação ou de qualquer outro recurso. Essa decisão está em consonância com a lógica do precedente firmado em repercussão geral no ARE 964.246-RG, Rel. Min. Teori Zavascki, já que, também no caso de decisão do Júri, o Tribunal não poderá reapreciar os fatos e provas, na medida em que a responsabilidade penal do réu já foi assentada soberanamente pelo Júri. Caso haja fortes indícios de nulidade ou de condenação manifestamente contrária à prova dos autos, hipóteses incomuns, o Tribunal poderá suspender a execução da decisão até o julgamento do recurso.”

Em suma, o Supremo Tribunal Federal deixou assentada, no julgado referido, a prevalência do princípio da soberania dos veredictos sobre o princípio da presunção de inocência ou não-culpabilidade, devendo o juiz presidente do Tribunal do Júri, ao proferir sentença condenatória, lastreada na democrática decisão dos jurados, determinar a imediata prisão do réu para início do cumprimento de pena, sobrepondo-se o interesse coletivo ao individual de maneira constitucionalmente acertada.

Voltar


comente/critique essa matéria

 
Telefone

 Confraria do Júri - Rua 6, s/n�, CPA - Cuiab�/MT

  Produzido por Coltri Consultoria e Assessoria Organizacional
  www.coltri.com.br - fone: (65) 8404-0247