::Confraria do Júri::

A Confraria do Júri convida você, membro do Ministério Público, a enviar seus artigos sobre o Tribunal do Júri para confrariadojuri@uol.com.br - Confraria do Júri

 
 

 

      

Enquete

Você é a favor da ampliação da competência do Tribunal do Júri para outros crimes seguidos de morte?
 
Sim, para qualquer crime doloso seguido de morte.
Sim, com exceção do estupro seguido de morte.
Não. A competência do Tribunal do Júri deve permanecer a mesma.
Não tenho opinião formada.

 
Ver resultados
 
  
  
     Notícias
 
11/04/2018  - TJ-SC: Motorista de BMW envolvido em acidente que provocou seis mortes enfrentará Júri
 
TJ-SC

A 2ª Câmara Criminal do TJ-SC confirmou sentença da comarca de São Bento do Sul que definiu a realização de júri popular para o julgamento de motorista acusado da morte de seis pessoas em acidente de trânsito. Em recurso em sentido estrito, a defesa pediu a desclassificação dos crimes de homicídio doloso para culposo e a revogação de medidas cautelares alternativas à prisão impostas ao réu no início do processo. O Ministério Público, por sua vez, defendeu a admissão da qualificadora de perigo comum.

O acidente aconteceu em setembro de 2014 e causou repercussão no norte do Estado por cinco das seis vítimas fatais serem da mesma família. Outra pessoa ficou ferida. O motorista dirigia uma BMW/328i e saía de uma festa de tradições germânicas. Ao fazer uma ultrapassagem na SC-301, em São Bento do Sul, o carro atingiu um Gol, que foi parar fora da pista, e um Kadett, onde estavam as vítimas fatais. Enquanto era prestado atendimento às pessoas, o condutor fugiu do local ao sair pela porta da ambulância.

O desembargador Volnei Celso Tomazini, relator do recurso, negou a suspensão das cautelares, mesmo com o final da instrução processual. Para o magistrado, a manutenção é necessária pelas particularidades do caso e, sobretudo, porque o réu ainda não foi julgado perante o Tribunal do Júri. Ao analisar o pedido do MP, Tomazini reconheceu que os depoimentos e fotos do processo demonstraram que o réu, ainda que não estivesse totalmente embriagado, estava sob influência de álcool no momento do choque com os outros carros. Porém, o magistrado entendeu que deve prevalecer na decisão de pronúncia o princípio da dúvida em favor da sociedade e, se remanescem questionamentos sobre o dolo ou culpa do réu, isso deve ser dirimido pelo Tribunal do Júri. A decisão foi unânime (Recurso em Sentido Estrito n. 0004026-33.2014.8.24.0058).

Voltar


comente/critique essa matéria

 
Telefone

 Confraria do Júri - Rua 6, s/n�, CPA - Cuiab�/MT

  Produzido por Coltri Consultoria e Assessoria Organizacional
  www.coltri.com.br - fone: (65) 8404-0247