::Confraria do Júri::

A Confraria do Júri convida você, membro do Ministério Público, a enviar seus artigos sobre o Tribunal do Júri para confrariadojuri@uol.com.br - Confraria do Júri

 
 

 

      

Enquete

Você é a favor da ampliação da competência do Tribunal do Júri para outros crimes seguidos de morte?
 
Sim, para qualquer crime doloso seguido de morte.
Sim, com exceção do estupro seguido de morte.
Não. A competência do Tribunal do Júri deve permanecer a mesma.
Não tenho opinião formada.

 
Ver resultados
 
  
  
     Notícias
 
15/05/2018  - TJ-RO: Júri usa aplicativo WhatsApp para interrogar acusado
 
TJ-RO

Mais uma área do Judiciário se vale da tecnologia para facilitar o acesso à Justiça. Desta vez foi a 1ª Vara Tribunal do Júri de Porto Velho utilizar o aplicativo WhatsApp como ferramenta de inquirição do réu. A sessão de julgamento ocorreu na última quinta-feira, 10 de maio de 2018, na qual a juíza Juliana Brandão interrogou em plenário, por meio de videoconferência, o acusado Edson Martins da Cruz. Ele responde, em liberdade, a um processo por homicídio qualificado e atualmente reside no estado de Goiás.

Edson, que é pedreiro, está desempregado. Por falta de condições financeiras do acusado para se deslocar até a comarca, se apresentou como alternativa a realização do júri com interrogatório em plenário por videoconferência. Durante a sessão, o réu respondeu às perguntas da magistrada, do promotor e do defensor público, diretamente de sua residência.

“Muito bom ouvir o acusado, pessoa que estava na varanda da casa, agradecer a realização do ato processual dessa maneira, pois, de fato, não teria condições financeiras de se fazer presente e apresentar sua versão”, disse a juíza sobre a oportunidade dada ao réu.

O uso do WhatsApp já virou prática na 3ª Vara Criminal, com o juiz Franklin Vieira dos Santos, que desde agosto de 2017 vem utilizando a ferramenta com bastante sucesso. Diante da praticidade e possibilidade de aceleração do andamento do processo, a juíza Juliana pediu ao colega o empréstimo de um tablete para a inquirição pela primeira vez no júri.

A prática não interferiu no rito do júri, que teve preservada todas as garantias de direitos às partes. Edson foi condenado a 12 anos e 6 meses em regime inicialmente fechado, porém pode recorrer em liberdade. Caso o recurso seja negado, a 1ª Vara do Júri expedirá o mandado contra o réu.

Voltar


comente/critique essa matéria

 
Telefone

 Confraria do Júri - Rua 6, s/n�, CPA - Cuiab�/MT

  Produzido por Coltri Consultoria e Assessoria Organizacional
  www.coltri.com.br - fone: (65) 8404-0247