::Confraria do Júri::

A Confraria do Júri convida você, membro do Ministério Público, a enviar seus artigos sobre o Tribunal do Júri para confrariadojuri@uol.com.br - Confraria do Júri

 
 

 

      

Enquete

Você é a favor da ampliação da competência do Tribunal do Júri para outros crimes seguidos de morte?
 
Sim, para qualquer crime doloso seguido de morte.
Sim, com exceção do estupro seguido de morte.
Não. A competência do Tribunal do Júri deve permanecer a mesma.
Não tenho opinião formada.

 
Ver resultados
 
  
  
     Notícias
 
29/05/2018  - CNMP: Proposta recomenda a priorização da persecução penal nos crimes contra a vida de jornalistas
 
CNMP

O conselheiro do Conselho Nacional do Ministério Público Luciano Nunes (foto) apresentou proposta que recomenda a priorização da persecução penal no caso de crimes contra vida, integridade física e de ameaça, tentados e consumados, praticados contra jornalistas, profissionais de imprensa e comunicadores no Brasil, no exercício da profissão ou em razão dela. A proposição foi feita durante a 9ª Sessão Ordinária de 2018 do CNMP, realizada nesta terça-feira, 29 de maio, em Brasília.

De acordo com a norma, no andamento do inquérito policial, o membro do Ministério Público deverá requisitar diligências e a conclusão da investigação, no prazo de noventa dias, considerando as peculiaridades de cada caso e a independência funcional do membro do MP. O conselheiro recomenda, ainda, que as unidades ministeriais responsáveis pela persecução penal dos referidos crimes informem, a cada noventa dias, a Corregedoria Nacional do Ministério Público sobre o andamento processual.

Durante a apresentação da proposta, a presidente do CNMP e procuradora-geral da República, Raquel Dodge, endossou a recomendação e defendeu a liberdade de expressão e a adoção de medidas protetivas a comunicadores que sofrem ameaças ou são vítimas de violência em decorrência da atividade profissional no Brasil.

Em justificativa, o conselheiro proponente argumentou que a livre manifestação do pensamento é uma garantia do Estado Democrático de Direito. Segundo Luciano Nunes, a Carta Magna de 1988 também outorga a livre expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença; e o livre exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, assegurando a todos o acesso à informação e o resguardo ao sigilo da fonte, quando necessário ao exercício profissional.

Luciano Nunes também lembrou que, segundo o Departamento de Direitos Humanos e Temas Sociais do Itamaraty e da Unesco, o Brasil, atualmente, está entre os dez países mais perigosos para o exercício do trabalho de jornalistas, agentes de imprensa e comunicadores. Além disso, entre os anos de 2006 e 2016 ocorreram 37 assassinatos desses profissionais.

De acordo com o Regimento Interno do CNMP, será designado um conselheiro para relatar a proposta. Após, será aberto o prazo de 30 dias para o recebimento de emendas.

Veja aqui a íntegra da proposta.

Voltar


comente/critique essa matéria

 
Telefone

 Confraria do Júri - Rua 6, s/n�, CPA - Cuiab�/MT

  Produzido por Coltri Consultoria e Assessoria Organizacional
  www.coltri.com.br - fone: (65) 8404-0247