::Confraria do Júri::

 
 

 

      

Enquete

Você é a favor da ampliação da competência do Tribunal do Júri para outros crimes seguidos de morte?
 
Sim, para qualquer crime doloso seguido de morte.
Sim, com exceção do estupro seguido de morte.
Não. A competência do Tribunal do Júri deve permanecer a mesma.
Não tenho opinião formada.

 
Ver resultados
 
  
  
     Notícias
 
22/05/2024  - TJ-PR permite juntada de antecedentes da vítima em julgamento no Tribunal do Júri
 
Site Conjur

O artigo 5º, XXXVIII, alínea “a”, da Constituição garante a todos os brasileiros a plenitude de defesa nos processos de competência do Tribunal do Júri. Com esse fundamento, a 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Paraná decidiu a favor da juntada dos antecedentes criminais da vítima aos autos de um processo.

A decisão foi provocada por Habeas Corpus em favor de um homem denunciado por homicídio que pedia a extensão da nulidade reconhecida em favor de um corréu e a juntada dos antecedentes criminais da vítima.

Ao analisar o caso, a relatora da matéria, desembargadora Lidia Maejima, afastou o pedido de extensão da nulidade. Segundo a julgadora, o que ocorreu no processo do corréu foi um aditamento que havia ocorrido antes da citação do réu que impetrou o HC.

Plenitude de defesa

Quanto ao pedido para a juntada de antecedentes criminais da vítima, a desembargadora entendeu que deveria ser deferido em respeito ao direito constitucional da plenitude de defesa.

Ela começou lembrando que esse não é um direito absoluto, visto que o Supremo Tribunal Federal reconheceu a ilegalidade da tese da legítima defesa da honra no julgamento da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental 779.

“Por outro giro, como forma de garantir a plenitude da defesa, à vista decisões que possibilitam pedido tal como realizado pela defesa do ora paciente, entendo como cabível o deferimento a juntada aos autos de certificado e folha de antecedentes criminais da vítima no Tribunal do Júri.” O voto da relatora foi seguido por unanimidade.

Atuou na causa o advogado Adriano Colle.

Clique aqui para ler a decisão!

Voltar


comente/critique essa matéria

 

 Confraria do Júri - Rua 6, s/nº, CPA - Cuiabá/MT