::Confraria do Júri::

Uma das finalidades da Confraria do Júri: promover os valores, os princípios e a identidade cultural do Tribunal do Júri nacional. - Confraria do Júri

 
 

 

      

Enquete

Você é a favor da ampliação da competência do Tribunal do Júri para outros crimes seguidos de morte?
 
Sim, para qualquer crime doloso seguido de morte.
Sim, com exceção do estupro seguido de morte.
Não. A competência do Tribunal do Júri deve permanecer a mesma.
Não tenho opinião formada.

 
Ver resultados
 
  
  
     Artigos
 
24/11/2018  - Execução da pena no júri não depende de julgamento de recurso em segunda instância
 
Rogério Sanches Cunha, promotor de Justiça - Estado de São Paulo; Fundador do MeuSiteJurídico.com e do MeuAppJurídico.

Informativo: 922 do STF – Processo Penal

Resumo: Nas condenações pelo tribunal do júri não é necessário aguardar julgamento de recurso em segundo grau de jurisdição para a execução da pena.

Comentários:

Como sabemos, no julgamento do HC 126.292/SP e de cautelares nas ADC 43 e 44 o STF considerou possível o início da execução da pena após o recurso em segunda instância. Conferindo ao art. 283 do CPP interpretação conforme para afastar aquela segundo a qual o dispositivo legal obstaria o início da execução da pena assim que esgotadas as instâncias ordinárias, o tribunal autorizou o encarceramento após o exaurimento da análise fático-probatória.

Considerou-se, em síntese, que a prisão após a apreciação de recurso pela segunda instância não desobedece a postulados constitucionais – nem mesmo ao da presunção de inocência – porque, a essa altura, o agente teve plena oportunidade de se defender por meio do devido processo legal desde a primeira instância. Uma vez julgada a apelação e estabelecida a condenação (situação que gera inclusive a suspensão dos direitos políticos em virtude das disposições da LC nº 135/2010), exaure-se a possibilidade de discutir o fato e a prova, razão pela qual a presunção se inverte. Não é possível, após o pronunciamento do órgão colegiado, que o princípio da presunção de inocência seja utilizado como instrumento para obstar indefinidamente a execução penal. Considerou-se, ainda, a respeito da possibilidade de que haja equívoco inclusive no julgamento de segunda instância, que há as medidas cautelares e o habeas corpus, expedientes aptos a fazer cessar eventual constrangimento ilegal. É certo que, desde então, algumas decisões têm mitigado essa autorização para o cumprimento antecipado da pena, como no caso do impedimento à execução provisória de penas restritivas de direitos e, em alguns casos, do condicionamento da execução de penas privativas de liberdade ao julgamento de recurso especial pelo STJ (Recl. 30.008/PR). Mas, no geral, não se determina mais o aguardo do trânsito em julgado de penas privativas de liberdade.

Há alguns dias o tribunal foi além e, por maioria da Primeira Turma, adotou proposta que havia sido feita pelo ministro Luiz Roberto Barroso nos julgamentos originais: a condenação pelo Tribunal do Júri é considerada condenação por órgão colegiado e, dada a soberania que caracteriza os vereditos, dispensa-se que se aguarde o julgamento de recurso pela segunda instância:

“(…) Aliás, duas outras conclusões podem ser extraídas deste caso: (i) a primeira: a condenação pelo Tribunal do Júri em razão de crime doloso contra a vida deve ser executada imediatamente, como decorrência natural da competência soberana do júri conferida pelo art. 5º, XXXVIII, d; (ii) a segunda: confirmada a decisão de pronúncia pelo Tribunal de 2º grau, o júri pode ser realizado. (…)” (trecho do voto nas ADC 43 e 44)

Com esse fundamento, o tribunal não conheceu da impetração e revogou liminar que havia sido concedida para impedir a execução da pena privativa de liberdade.

Voltar


comente/critique essa matéria

 
Telefone

 Confraria do Júri - Rua 6, s/n�, CPA - Cuiab�/MT

  Produzido por Coltri Consultoria e Assessoria Organizacional
  www.coltri.com.br - fone: (65) 8404-0247