::Confraria do Júri::

A Confraria do Júri convida você, membro do Ministério Público, a enviar seus artigos sobre o Tribunal do Júri para confrariadojuri@uol.com.br - Confraria do Júri

 
 

 

      

Enquete

Você é a favor da ampliação da competência do Tribunal do Júri para outros crimes seguidos de morte?
 
Sim, para qualquer crime doloso seguido de morte.
Sim, com exceção do estupro seguido de morte.
Não. A competência do Tribunal do Júri deve permanecer a mesma.
Não tenho opinião formada.

 
Ver resultados
 
  
  
     Artigos
 
25/05/2020  - Entre o desejo e a ação de matar
 
César Danilo Ribeiro de Novais, promotor de Justiça do Tribunal do Júri em Mato Grosso; ex-presidente da Confraria do Júri.

"Qualquer um de nós pode acordar de manhã, olhar no espelho e dizer ''hoje, eu não vou roubar, estuprar ou fraudar!''. Mas ninguém pode dizer ''hoje, eu não vou matar'', porque qualquer um de nós está sujeito a tirar a vida de alguém... Quem aqui nunca sentiu vontade de matar?”

O debate livre-arbítrio versus determinismo tem sido travado na filosofia desde os tempos de Aristóteles. O pragmatismo sensato do psicólogo e filósofo americano William James pregava: “Meu primeiro ato de livre-arbítrio é acreditar no livre-arbítrio.”

Nessa linha, um ótimo filme dirigido por Steven Spilberg, exibido em 2002, baseado no conto de Philip K. Dick, reporta uma trama de suspense ocorrida entre os anos de 2048 e 2054, na qual o protagonista gerencia um projeto de prevenção de assassinatos. Na ficção científica "Minority Report", John Anderton (Tom Cruise), então chefe de polícia, atua de forma preventiva efetuando a prisão de pessoas antes de praticarem homicídio. Ironicamente, ele próprio passa a ser acusado de que matará alguém, tornando-se então um fugitivo. (Com uma dose de spoiler) Ao final, o projeto é desacreditado e, junto com ele, o determinismo, restabelecendo a ideia de que o ser humano atua na verdade por livre arbítrio.

Somos seres livres e responsáveis por nosso atos. O ser humano é eminentemente gregário e a vida em sociedade gera conflitos interpessoais. Por consequência, é necessário que essa convivência seja minimamente ordenada. E o Direito se apresenta como importante instrumento de ordenação social. A sociedade bem ou mal resulta das deliberações de cada pessoa. Entender o outro como a encarnação do nosso limite é imperativo categórico. Diferente dos animais, que agem por instinto, temos a capacidade de escolhas. Afinal, somos seres racionais.

Dentro do amplo leque de escolhas, sem sombra de dúvida, o ato mais drástico de livre arbítrio é atacar a existência própria ou, pior ainda, de outra pessoa. Na vida, todos enfrentamos dissabores, frustrações, raivas e sentimentos de contrariedade. Todavia, temos que buscar a mitigação, resolução ou enfrentamento dos problemas não por meio de atos violentos senão pelo emprego da razão. A principal arma para a solução de eventuais conflitos interpessoais deve ser a palavra (capacidade de diálogo, convencimento e persuasão), e jamais instrumentos cortantes, perfurantes ou contundentes (violência).

A primeira prova de reconhecimento de dignidade da pessoa humana é a capacidade de responsabilidade por suas escolhas. Animais não detêm responsabilidade moral ou jurídica. As pessoas, sim.

É comum ouvirmos no plenário do Tribunal do Júri, sobretudo durante a sustentação oral da defesa, argumentos como este (típico exemplo de chantagem emocional (1)): "Qualquer um de nós pode acordar de manhã, olhar no espelho e dizer ''hoje, eu não vou roubar, estuprar ou fraudar!''. Mas ninguém pode dizer ''hoje, eu não vou matar'', porque qualquer um de nós está sujeito a tirar a vida de alguém... Quem aqui nunca sentiu vontade de matar?”

Diante dessa retórica, um Promotor de Justiça minimamente perspicaz, instantaneamente, fará uso de aparte-indagação: "E por que não matou, doutor?"

Matar é um desejo que pode - e deve - ser plenamente contido pelo livre arbítrio. A não ser o "matar-para-não-morrer" (legítima defesa), tirar a vida de alguém é um ato pleno de escolha, e não de instinto de conservação.

A vida em sociedade impõe a contenção dos apetites e desejos pessoais. Quem age por instinto é animal irracional. Matar como ato de autodefesa ou sobrevivência (cadeia alimentar) é comum no reino animal. A maioria dos assassinatos é sinônimo de intolerância. Mata-se por raiva, ódio, vingança, vergonha, egoísmo, ciúme, possessão, avareza, inveja, ganância etc.

Ninguém pode mudar o que deseja. Mas qualquer um pode mudar o que faz. Isso o que importa. Entre o desejo e a ação há uma miríade de possibilidades. Vontade de matar? Muitos sentiram, sentem ou sentirão. Matar? Poucos mataram, matam ou matarão. Aí está a linha divisória entre civilização e barbárie.

A vida em sociedade reclama contenção de realização de apetites, impulsos ou vontades. Quem não se contém, não está apto a viver em comunidade. Nisso reside a necessidade de sanção penal, como forma de intimidação, exemplariedade e busca permanente de paz social.

Portanto, até prova em contrário, somos seres livres e responsáveis por nossas escolhas e ações. Somos seres dotados de dignidade humana. Por isso, o ato extremo de matar alguém reclama censura séria, firme e grave, como forma de reafirmação da liberdade (limitada) e de reverência pela vida. E a sanção penal confirmará a dignidade humana de quem matou. Afinal, só os animais irracionais não respondem por seus atos.

Nota:

1 - Em 1998, a famosa terapeuta norte-americana Susan Forward publicou o livro “Emotional Blackmail”, que, naquele mesmo ano, foi traduzido e lançado no Brasil com o título “Chantagem Emocional”. A obra analisa, com rara maestria, uma forma poderosa de manipulação das pessoas por meio do emprego do medo, da obrigação e da culpa. O chantagista emocional articula habilmente as palavras com o objetivo de engaiolar pessoas, que, por sua vez, veem mitigado seu livre arbítrio, tornando-se, assim, presas fáceis para fazerem o que ele quer que façam.

Voltar


comente/critique essa matéria

 
Telefone

 Confraria do Jé ­ Rua 6, s/n�, CPA - Cuiab�/MT

  Produzido por Coltri Consultoria e Assessoria Organizacional
  www.coltri.com.br - fone: (65) 8404-0247
看着平平的胸部,让人说为“飞机场”丰胸产品,这种滋味真不好受。如何让A胸变为D胸呢?其实日常生活中有很多丰胸的食物丰胸达人,那么丰胸的食物有哪些呢?我们一起来看看吧酒酿蛋丰胸产品!为了更精确的爱护好女性的乳房,在此我们为您提供丰胸专家为您一对一免费指导!产后丰胸方法