::Confraria do Júri::

A Confraria do Júri convida você, membro do Ministério Público, a enviar seus artigos sobre o Tribunal do Júri para confrariadojuri@uol.com.br - Confraria do Júri

 
 

 

      

Enquete

Você é a favor da ampliação da competência do Tribunal do Júri para outros crimes seguidos de morte?
 
Sim, para qualquer crime doloso seguido de morte.
Sim, com exceção do estupro seguido de morte.
Não. A competência do Tribunal do Júri deve permanecer a mesma.
Não tenho opinião formada.

 
Ver resultados
 
  
  
     Artigos
 
12/04/2021  - Homicídio brutal
 
Por César Danilo Ribeiro de Novais, promotor de Justiça do Tribunal do Júri em Mato Grosso. Ex-presidente da Confraria do Júri.

No século XIX, Eça de Queiroz fez uma constatação muito lúcida: "Quanto mais conhecemos os homens mansos, mais estimamos os bichos bravos”(1). No século XX, outro grande escritor português, José Saramago, Nobel de Literatura (1998), também fez outra grande constatação: "O instinto serve melhor os animais do que a razão para o homem"(2).

Nenhum animal mata por malevolência, a não ser o animal racional, o ser humano. O homicídio é o crime mais grave de quantos possam ser previstos em lei, porque a vida é o bem supremo da pessoa humana e condição primordial e imprescindível para o gozo de todos os outros interesses, direitos e deveres humanos possíveis.

No Direito não há sangue nem número, o que leva alguns afirmarem que é uma ciência menor. Mas, com frequência, no Tribunal do Júri, que julga os crimes dolosos contra a vida, é possível verificar a existência de ambos: frieza calculada e sangue derramado. "Aquilo que eu quero, como quero e quando quero" é o lema da prepotência, arrogância, intolerância, malevolência e do ódio do assassino. Ele se sente divino em sua "onipotência" ao decretar, determinar, concorrer ou executar a morte de alguém.

Assim, alimentando o ânimo com o pão azedo do ódio, o vinho estragado da intolerância e a carne podre da violência, o assassino ataca a vida alheia, sem dó nem piedade. Muitas das vezes, de forma brutal.

O emprego de meio cruel na execução do homicídio consiste em qualificadora, que reclama o incremento da sanção penal, ante a perversidade, a brutalidade ou a impiedade demonstrada na prática do crime.

Conforme a Exposição de Motivos do Código Penal, é cruel o meio que aumenta inutilmente o sofrimento, ou revela uma brutalidade fora do comum ou em contraste com o mais elementar sentimento de piedade. Vale dizer, meio cruel é todo aquele que acarreta padecimento desnecessário para a vítima. Há dupla ofensa: 1ª) ao direito de não ser morto; e 2ª) ao direito de não ser submetido a sofrimento físico ou mental.

Como explica José Henrique Pierangeli, “no emprego do meio cruel, o agente explicita um aspecto de barbárie e ausência de elementar sentimento de piedade”(3).

Importante destacar a sapiência do legislador ao prever a cláusula de abertura no inciso III do §2º do artigo 121 do Código Penal, para que qualquer meio cruel qualifique o crime de homicídio. É o denominado meio cruel por assimilação.

Sem dúvida, um dos meios cruéis mais comuns é a reiteração de atos executórios (facadas, tiros, golpes etc.). É lógico que matar alguém através de reiterados golpes de arma branca ou tiros de arma de fogo revela a falta de piedade, além de brutalidade fora do comum. A lógica humana evidencia o sofrimento físico ou mental da vítima. Basta imaginar alguém golpeado ou desfechando vários tiros contra o seu corpo para ter a exata noção da dor física e/ou psicológica provocada pelo agente.

Ricardo Levene ensinou que "quem pode matar com um golpe e ao invés disto fere a vítima, a deixa indefesa e continua causando ferimentos cada vez maiores, a mata com crueldade"(4).

Como se sabe, o juízo natural dos crimes dolosos contra a vida é o Tribunal do Júri, logo incumbirá ao jurado decidir pela incidência da qualificadora ao votar o quesito específico. Cumpre salientar que jurado é o peritus peritorum na análise do contexto fático e probatório. É o grande juiz dos crimes de sangue. Exerce a soberania popular em seus veredictos.

Na realidade, não cabe ao perito afirmar a qualificadora, sobretudo nas hipóteses de meio cruel por assimilação. Ao juiz, na pronúncia, e ao jurado, no julgamento, é que cumprem aferir a incidência da crueldade na conduta.

Aliás, não se deve esquecer que a análise do perito na perícia das perícias, que é o exame necroscópico, é limitada ao exame do objeto material do crime de homicídio, qual seja, o corpo da vítima sob a perspectiva da Medicina Legal e não de todo o contexto fático-probatório afeto ao caso em julgamento pelo Tribunal do Júri. Quem analisa os fatos, os dados e as provas processuais é o jurado, que, em sua soberania, dá a última e definitiva palavra nos crimes dolosos contra a vida.

Por consequência, ainda que o laudo pericial tenha negado o meio cruel, o juiz, na pronúncia, e o jurado, no julgamento, na forma do artigo 182 do Código de Processo Penal, podem e devem rejeitá-lo, ante os múltiplos ferimentos causados pelo agente homicida na vítima (5).

O grau de civilização de um povo é mensurável pelo grau de proteção do direito à vida, que inclui a seriedade e a gravidade da punição ao assassino, pelo Estado. Nessa linha, o jurado deve atuar como guardião dos direitos fundamentais da próxima vítima: a condenação do assassino com rigor significa evitar um novo homicídio por ele próprio ou por assassino em potencial. É a prevenção geral e especial da pena em ação.

Infelizmente, o Brasil ocupa o pódio infame dos países que mais matam no mundo. Se fizéssemos 1 minuto de silêncio para cada uma das vítimas, anualmente, assassinada, ficaríamos em torno de 40 dias calados. Para piorar, existe hermenêutica jurídica especializada em esvaziar cadeias, e, lamentavelmente, lotar cemitérios. É a necro-hermenêutica (6).

Portanto, logo se vê que esse quadro de violência latente impede que haja espaço para a necro-hermenêutica no Tribunal do Júri. É preciso cultuar a bio-hermenêutica e exercitar a exegese que combata a cultura de morte e exalte a cultura de vida. É preciso sempre eleger a interpretação que defenda, proteja e reafirme o direito de viver. Nessa escolha está inserida a punição exemplar de quem agiu brutalmente, impiedosamente ou perversamente na prática de homicídio. Punição aquém da merecida também é impunidade. O jurado não deve fazer favor com o sangue alheio para minorar a pena de assassino, mas sim honrar a magnitude e a sacralidade da vida humana. O homicídio brutal reclama séria e grave resposta penal. Afinal, no Tribunal Popular, a razão humana deve estar a serviço da vida e da sociedade em busca de um presente seguro e de um futuro melhor.

---------------------

1 - QUEIROZ, Eça. Uma campanha alegre. Lisboa: Companhia Nacional Editora, 1890.

2 - Cf. https://www.youtube.com/watch?v=6n78iapk96U acesso 12.04.21.

3 - PIERANGELI, José Henrique. Manual de direito penal: parte especial. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2005, p. 72.

4 - LEVENE, Ricardo. El Delito de Homicídio. Buenos Aires: Perrot, 1955, p. 187.

5 - Salvo se no laudo constar expressamente que a vítima veio a óbito logo no primeiro ferimento sofrido. Para tanto, o perito deve efetuar o diagnóstico diferencial e discriminar as lesões corporais intra vitam e lesões post mortem.

6 - Cf. http://promotordejustica.blogspot.com/2020/07/necro-hermeneutica.html

Voltar


comente/critique essa matéria

 
Telefone

 Confraria do Jé ­ Rua 6, s/n�, CPA - Cuiab�/MT

  Produzido por Coltri Consultoria e Assessoria Organizacional
  www.coltri.com.br - fone: (65) 8404-0247
看着平平的胸部,让人说为“飞机场”丰胸产品,这种滋味真不好受。如何让A胸变为D胸呢?其实日常生活中有很多丰胸的食物丰胸达人,那么丰胸的食物有哪些呢?我们一起来看看吧酒酿蛋丰胸产品!为了更精确的爱护好女性的乳房,在此我们为您提供丰胸专家为您一对一免费指导!产后丰胸方法