::Confraria do Júri::

Se você é promotor ou procurador de Justiça, associe-se à Confraria do Júri. Saiba como: confrariadojuri@uol.com.br - Confraria do Júri

 
 

 

      

Enquete

Você é a favor da ampliação da competência do Tribunal do Júri para outros crimes seguidos de morte?
 
Sim, para qualquer crime doloso seguido de morte.
Sim, com exceção do estupro seguido de morte.
Não. A competência do Tribunal do Júri deve permanecer a mesma.
Não tenho opinião formada.

 
Ver resultados
 
  
  
     Curiosidades
 
15/08/2012  - Crônica: Naquele dia, até policial chorou
 
Paraná On Line

Quando soube que a sua filha Giovanna tinha sido assassinada com 96 facadas, Maurício Silvino da Silva entrou em choque. Enquanto ele corria pra casa, a polícia apareceu pra conferir o caso macabro. O delegado João Carlos Penteado chegou ao local do crime e fez perguntas. A primeira coisa que chamou atenção foi a reação de Isabel, que encontrou o corpo da enteada, depois de voltar do trabalho.

O delegado comentou:

“Estranho, ela não agiu como uma pessoa que encontra um corpo naquela situação. Normalmente a pessoa entra em choque, sai correndo e grita por socorro. Nada disso aconteceu”.

Maurício também estranhou o comportamento da companheira. Ela não chorava uma lágrima, enquanto ele se descabelava. Até policiais que não conheciam Giovanna e estavam acostumados a todos os tipos de defuntos, se comoviam com a cena da menina com dezenas de buracos no corpo – e a faca encravada no peito até o cabo. Tinha policial com os olhos cheios de lágrimas. E a madrasta impassível, numa cadeira, observava o agito na casa.

Maurício choramingou pro delegado:

“Difícil acreditar. Jamais imaginei ver minha filha esfaqueada”.

Ele não entendia o que aconteceu:

“Ela sempre morou com a gente”.

E até aquele dia, até onde soube, não foi vítima de violência. Pro delegado Penteado, o comportamento de Isabel deixava de ser estranho pra ficar suspeito. Ele concluiu que precisava de uma longa conversa com aquela dona num lugar adequado: a delegacia. Ela foi e Penteado começou a fazer perguntas e percebeu que a dona era a criminosa. Mas tinha de ter paciência, encurralar a dona com cuidado. Ele fez perguntas e mais perguntas e a frieza de Isabel foi pro ralo e ela entrou em contradições. Eram 3 horas da madrugada do dia 23 de agosto de 2005, quando, exausta e encurralada, ela abriu o bico e confessou o crime. E, percebendo que estava ferrada, chorou compulsivamente. Na manhã seguinte, sentada sobre um colchão na cela escura e individual da Delegacia de Homicídios, Isabel ainda tentou se defender:

“A menina falava demais e aquilo me irritava. Fiquei nervosa e perdi a paciência. Peguei a faca e comecei a furar.
Nem sei quantas facadas”.

O crime estava resolvido. O casamento desfeito.

“Sei que foi chocante. Sei que vou pagar e tenho certeza que meu marido não me perdoa”.

Aquilo era de menos: Maurício não demorou a esquecer Isabel e arrumar outra dona. Enquanto isso, a madrasta trazia no ventre mais uma criança dele, que ia nascer em condições precárias, pra ser jogada num mundo inseguro e hostil, como aconteceu a Giovanna.

“É horrível ir naquele lugar”

Por volta do meio-dia de terça-feira, o corpo de Giovanna deixou Curitiba num carro funerário em direção a Arapoti, onde foi enterrado. O crime suscitou um rápido debate sobre a sanidade mental de Isabel Xavier de Souza: exame do Instituto Médico Legal constatou que a madrasta não era maluca, apenas má. Com base no laudo, o juiz contestou outro do psiquiatra, Roberto Dino, da Penitenciária Feminina do Paraná, que apontava retardamento mental em Isabel. Outro psiquiatra, Luís Gabriel de Carvalho, disse na época que a madrasta trazia dentro dela a predisposição e impulso para a violência, que seria desencadeada mesmo que não estivesse grávida:

“Gravidez não desencadeia crise como essa”.

Dois anos depois, a situação estava assim: Maurício tocou a sua vida, já estava com outra mulher há um ano e passou a reduzir as visitas à Penitenciária Feminina do Paraná, pra ver a filha dele com Isabel, que nasceu no presídio no dia 1º de setembro de 2005. Ele contou em junho de 2007 que a princípio foi visitar a menina algumas vezes na prisão, mas não sabia se pretendia pedir a guarda da criança. Com o tempo, depois de arrumar nova mulher, as visitas escassearam. Na realidade, ele não tinha parado pra pensar no futuro da filha com a ex-companheira, agora na prisão. E não estava muito interessado no assunto:

“Não vou visitá-la há oito meses, porque é muita burocracia. É horrível ir naquele lugar”.

Na madrugada do dia 13 de junho de 2007, às 2h10, o juiz Ignácio de Loyola Barboza, do Tribunal do Júri, leu a sentença do julgamento da doméstica Isabel Xavier de Souza, então com 28 anos, condenada a 19 anos e seis meses de reclusão. O corpo de jurados, formado somente por homens, escolhidos por sorteio, por seis votos a um acatou tese do Ministério Público e entendeu que a doméstica praticou homicídio triplamente qualificado.

E, como nos contos infantis, a madrasta foi cruel, mas se ferrou.

.........
Os nomes reais dos personagens deste caso foram mantidos em sigilo em proteção à sua integridade.

Voltar


comente/critique essa matéria

 
Telefone

 Confraria do Júri - Rua 6, s/n�, CPA - Cuiab�/MT

  Produzido por Coltri Consultoria e Assessoria Organizacional
  www.coltri.com.br - fone: (65) 8404-0247