::Confraria do Júri::

Se você é promotor ou procurador de Justiça, associe-se à Confraria do Júri. Saiba como: confrariadojuri@uol.com.br - Confraria do Júri

 
 

 

      

Enquete

Você é a favor da ampliação da competência do Tribunal do Júri para outros crimes seguidos de morte?
 
Sim, para qualquer crime doloso seguido de morte.
Sim, com exceção do estupro seguido de morte.
Não. A competência do Tribunal do Júri deve permanecer a mesma.
Não tenho opinião formada.

 
Ver resultados
 
  
  
     Dicas de leitura
 
28/11/2014  - O novo Tribunal do Júri - Amaury Silva
 
Site Migalhas - Lauda Legal - Roberta Resende

"(...) só um tribunal como o júri (...) pode julgar com o critério muito racional e concreto da vida que nós vivemos todos os dias (...)" - Lima Barreto



Ao "recrutar da sociedade o juízo de valor que define a responsabilidade penal" a instituição do tribunal do júri "desperta de forma mais empolgante, seja no meio jurídico ou social, a atração de ser conhecida, vivenciada e avaliada". Com essas palavras precisas o autor da obra, magistrado e professor universitário experiente, coloca em ótima perspectiva o tema, tratando-o não só pelo viés dos elementos conceituais acadêmicos, mas também pelos questionamentos permanentes dos quais é alvo.

Acerca do direito posto, começa por informar que a lei 11.689/08 modificou de maneira profunda o procedimento do júri, e que alguns pontos positivos e negativos do novo diploma já podem ser sentidos, a despeito de seu pouco tempo em vigor. Outros, ainda virão com o tempo.

O júri está previsto no art. 5°, inciso XXXVIII, da CF, inserido portanto no rol das garantias individuais; integra a estrutura do Poder Judiciário – discussão muito bem conduzida pelo autor, já que não há uma previsão explícita –, e como todo o processo penal, deve estar submetido a cada uma das garantias do devido processo legal, especificamente a observância da plena defesa, o sigilo das votações, a soberania dos vereditos. Ao falar em ampla defesa, o autor destaca orientação jurisprudencial já consagrada, segundo a qual é nula a defesa, em plenário, de tese prejudicial ao réu, se contraditória ao seu próprio depoimento. E destaca pronunciamento do STF sobre o tema, em que se definiu a necessidade do resultado prejudicial para o reconhecimento da nulidade.

Nesse mesmo tom de diálogo, de um saber construído a partir da escuta e análise de diferentes fontes, desenvolve-se o capítulo referente ao protesto por novo júri, figura extinta pela nova lei. Antes de se posicionar contrário à extinção – ou melhor, de expressar ponto de vista segundo o qual "Não prestava assim o protesto por novo júri um desserviço ao processo penal democrático" –, o autor detém-se paciente e longamente sobre os argumentos que fundamentaram a opção do legislador por tal extinção, colacionando desde artigos de jornais a opiniões de especialistas a partir do caso Dorothy Stang.

Em vários outros momentos o autor recorre a citações de autores conhecidos, mas não como interpolações pernósticas: simplesmente passa a palavra a quem já a proferiu com exatidão. De fato, esse é um ponto forte na obra: a posição discursiva adotada não é a de quem enuncia verdades unilaterais; antes, é a de quem há anos vem participando de um longo debate sobre os temas de seu cotidiano profissional, e quer partilhá-los. Talvez resida nesse tom sereno e democrático do discurso do autor – um ritmo que lembra o ato de tecer – o sucesso da obra, que rapidamente viu sua primeira edição esgotar-se.

Sobre o autor:

Amaury Silva é juiz de Direito em MG há 16 anos. Mestrando em Criminologia e Direitos Humanos; especialista em Direito Penal e Processual Penal. Professor na graduação e pós-graduação das disciplinas Direito Penal e Processual Penal. Foi advogado e defensor público.

Voltar


comente/critique essa matéria

 
Telefone

 Confraria do Júri - Rua 6, s/n�, CPA - Cuiab�/MT

  Produzido por Coltri Consultoria e Assessoria Organizacional
  www.coltri.com.br - fone: (65) 8404-0247