::Confraria do Júri::

Se você é promotor ou procurador de Justiça, associe-se à Confraria do Júri. Saiba como: confrariadojuri@uol.com.br - Confraria do Júri

 
 

 

      

Enquete

Você é a favor da ampliação da competência do Tribunal do Júri para outros crimes seguidos de morte?
 
Sim, para qualquer crime doloso seguido de morte.
Sim, com exceção do estupro seguido de morte.
Não. A competência do Tribunal do Júri deve permanecer a mesma.
Não tenho opinião formada.

 
Ver resultados
 
  
  
     Notícias
 
12/03/2019  - Caso Bernardo: Depoimentos de testemunhas de acusação marcam primeiro dia do Júri
 
MP-RS

Terminou por voltas das 21h desta segunda-feira, 11, no Fórum de Três Passos, o primeiro dia do júri popular dos quatro réus acusados pelo homicídio do menino Bernardo Uglione Boldrini, morto aos 11 anos, em 04 de abril de 2014. A expectativa do Ministério Público, que se mantém após este primeiro dia, é de que os quatro réus, Leandro Boldrini, Graciele Ugulini, Edelvânia e Evandro Wirganovicz, sejam condenados às penas máximas previstas para os crimes dos quais são acusados. “Temos convicção de que há provas suficientes nos autos para condenação dos réus”, garantiu o promotor do caso, Bruno Bonamente, aos jornalistas, pouco antes do início do júri. Em razão do tamanho do processo, com 9 mil páginas, e do tempo que o julgamento deve durar, previsto para uma semana, Bonamente recebeu apoio dos colegas Ederson Luciano Maia Vieira e Silvia Inês Miron Jappe.

O coordenador do Centro de Apoio Criminal, Luciano Vaccaro, que acompanhou os trabalhos no Fórum de Três Passos, fez uma avaliação positiva deste primeiro dia de julgamento. “Os trabalhos iniciaram e transcorreram normalmente, com o início das oitivas de testemunhas, as quais confirmaram a responsabilidade dos réus nos fatos, confirmando a acusação sustentada pelo MP desde o início”, disse. Serão ouvidas, nesta primeira fase, 14 testemunhas. Após as oitivas iniciam os debates entre defesa e acusação, o que só deve ocorrer na quarta-feira, 13.

Seguindo o rito processual, a juíza Sucilene Werle iniciou a oitiva das testemunhas de acusação nesta segunda-feira após o sorteio e composição do conselho de sentença, formado por sete jurados. A primeira testemunha de acusação, delegada de polícia Caroline Bamberg, que presidiu o inquérito na época do crime, começou a ser ouvida no início da tarde. O depoimento se estendeu por mais de quatro horas.

A delegada recordou momentos da investigação e envolvimento dos réus ao responder questionamentos da juíza e dos três promotores de Justiça. “Causou estranheza sempre a frieza do pai durante o desaparecimento do Bernardo”, disse ela. Em entrevista a uma rádio na época em que o menino estava desaparecido, reproduzida pela acusação, Boldrini, além de usar o verbo no passado ao referir que Bernardo "morava" com ele, esquivou-se de dar o seu telefone para contato em caso de localização do filho. Em seguida, a testemunha respondeu aos questionamentos dos advogados de cada um dos réus.

A segunda testemunha concluiu seu depoimento pouco antes das 21 horas. Cristiane Braucks, que atuava como delegada regional na época do crime, também respondeu a perguntas sobre o inquérito e sua participação nas investigações.

Voltar


comente/critique essa matéria

 
Telefone

 Confraria do Júri - Rua 6, s/n�, CPA - Cuiab�/MT

  Produzido por Coltri Consultoria e Assessoria Organizacional
  www.coltri.com.br - fone: (65) 8404-0247