::Confraria do Júri::

A Confraria do Júri convida você, membro do Ministério Público, a enviar seus artigos sobre o Tribunal do Júri para confrariadojuri@uol.com.br - Confraria do Júri

 
 

 

      

Enquete

Você é a favor da ampliação da competência do Tribunal do Júri para outros crimes seguidos de morte?
 
Sim, para qualquer crime doloso seguido de morte.
Sim, com exceção do estupro seguido de morte.
Não. A competência do Tribunal do Júri deve permanecer a mesma.
Não tenho opinião formada.

 
Ver resultados
 
  
  
     Notícias
 
10/10/2019  - TJ-ES: Tribunal de Justiça aumenta pena de condenado pela morte de 3 pessoas em acidente de carro
 
TJ-ES

O relator, desembargador Adalto Dias Tristão, deu parcial provimento ao recurso interposto pelo MPES, elevando a pena do condenado para 26 anos e 10 meses de reclusão, e 30 dias-multa. Além disso, o colegiado negou, à unanimidade, o recurso do sentenciado, que pediu diminuição da pena.

Nesta quarta-feira, 09, a 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado do Espírito Santo julgou dois pedidos recursais na apelação criminal n°0001432-27.2008.8.08.0050: o primeiro interposto por Wagner José Dondoni de Oliveira em face de condenação no Tribunal de Júri, presidido pelo juiz Romilton Alves Vieira Júnior, que o sentenciou a 25 anos e 04 meses de reclusão, além de pagamento de 30 dias-multa, devendo ser cumprida inicialmente em regime fechado; e o segundo interposto pelo Ministério Público do Espírito Santo.

Ambos os apelantes requereram a revisão do julgamento realizado no Tribunal do Júri de Viana em 2018. A defesa de Wagner Dondoni postulou a submissão do réu a novo julgamento, uma vez que a decisão judicial teria ocorrido de forma contrária às provas juntadas aos autos, enquanto o MPES defendeu a necessidade de aumento da pena fixada pelo juiz de 1° grau, em razão de não terem sido analisados os antecedentes do réu e a aplicação do artigo 121, do Código Penal, relativo ao agravo correspondente à menoridade de duas vítimas.

O caso em análise ganhou repercussão nacional por envolver a morte de 3 pessoas da mesma família, e deixar 1 outra em estado de saúde grave. De acordo com a denúncia, no dia 20 de abril de 2008, o acusado, que estava embriagado, tomou a direção de veículo automotor e colidiu com o veículo no qual se encontravam as vítimas M.S.C.M, R.S.A e R.C.A, que morreram devido ao acidente de trânsito, além de ter deixado o motorista R.A. gravemente ferido.

Durante a sessão criminal, a defesa do apelante sustentou que as penas foram fixadas de maneira excessiva, por inadequada fundamentação, motivo pelo qual pugnou a submissão do réu a novo Júri e caso não fosse atendida a requisição, requereu uma diminuição da pena para o número mínimo legal, visto que não teriam sido comprovadas pela perícia provas utilizadas no embasamento jurídico sentenciante.

Após a sustentação do advogado de Dondoni, o relator, desembargador Adalto Dias Tristão, apresentou seu voto, dando parcial provimento ao recurso interposto pelo MPES, elevando a pena do condenado para 26 anos e 10 meses de reclusão, além do pagamento de 30 dias-multa. Além disso, o colegiado julgador negou, à unanimidade, o recurso do sentenciado.

O desembargador Adalto Dias Tristão, concluiu, a partir dos autos, que a materialidade dos crimes restou demonstrada por meio dos laudos de exame cadavérico, de lesão corporal e de laudo etílico, que comprovou o estado de embriaguez do apelante, além do laudo de exame no local do acidente de tráfego.

Quanto à autoria, o relator afirmou ser incontestável. “No que concerne à autoria, é também incontestável que o apelante foi o responsável pela colisão dos veículos que vitimou M.S.C.M, R.S.A e R.C.A, fatalmente, e deixou R.A gravemente ferido”, ressaltou.

No voto, o magistrado destacou que a partir dos depoimentos colhidos nos autos foi possível descobrir que, além de ter causado o acidente analisado na apelação, o condenado já havia se envolvido em outra ocorrência, que provocou o capotamento de um automóvel que tentou desviar de sua condução perigosa. “Apesar dessa primeira ocorrência, felizmente sem vítimas fatais, o apelante prosseguiu conduzindo seu veículo, cônscio de que expunha a vida de terceiros em risco”, ponderou o relator.

O desembargador Adalto Dias Tristão ainda citou o princípio da soberania dos vereditos aplicados no Tribunal do Júri.

“Como é cediço, o sistema de apreciação de provas adotado pela legislação processual nos julgamentos do Tribunal do Júri é o da íntima convicção, casos em que se verifica a discricionariedade por parte do julgador no que toca à indagação a verdade e à apreciação de provas, o que significa dizer que a decisão dos jurados se funda na certeza moral do Júri, que decide desprendido de qualquer critério de julgamento”.

Com a ponderação, o desembargador relator concluiu por negar provimento à pretensão recursal de reformulação de sentença proposta por Wagner José Dondoni de Oliveira. “Ante a inexistência de julgamento contrário à prova dos autos e, consequentemente, a ausência de constrangimento ilegal, não merece provimento a pretensão recursal de anulação da decisão soberana do Júri Popular”, finalizou.

Quanto ao pedido ministerial, de modificação de dosimetria da pena, foi-lhe dado provimento. “Em relação a dosimetria da pena, tem-se que o recurso ministerial merece provimento em parte, devendo ser revista a pena base fixada para cada um dos delitos diante da constatação de que o ora apelante tem antecedentes criminais maculados, não sendo tal circunstância desvalorada pelo douto magistrado no momento de aplicação da dosimetria”.

O desembargador pontuou que as circunstâncias que levaram à fundamentação de majoração da pena fixada pelo juiz de 1° grau foram muito bem observadas, visto que o magistrado se atentou ao fato de que o réu não prestou socorro às vítimas, não demonstrou contrição diante da destruição causada, pelo contrário, restou comprovado que o acusado teve ao menos duas chances de ter impedido o cometimento do crime, quando foi advertido, contudo mesmo assim insistiu na ação delituosa de dirigir totalmente embriagado.

No voto de relatoria, a pena definitiva foi fixada em 26 anos e 10 meses de reclusão, além de pagamento de 30 dias-multa. Os desembargadores Sérgio Bizzotto Pessoa de Mendonça e Fernando Zardini Antonio, também integrantes da 2ª Câmara Criminal do TJES, acompanharam a decisão, à unanimidade.

Voltar


comente/critique essa matéria

 
Telefone

 Confraria do Júri - Rua 6, s/n�, CPA - Cuiab�/MT

  Produzido por Coltri Consultoria e Assessoria Organizacional
  www.coltri.com.br - fone: (65) 8404-0247