::Confraria do Júri::

A Confraria do Júri convida você, membro do Ministério Público, a enviar seus artigos sobre o Tribunal do Júri para confrariadojuri@uol.com.br - Confraria do Júri

 
 

 

      

Enquete

Você é a favor da ampliação da competência do Tribunal do Júri para outros crimes seguidos de morte?
 
Sim, para qualquer crime doloso seguido de morte.
Sim, com exceção do estupro seguido de morte.
Não. A competência do Tribunal do Júri deve permanecer a mesma.
Não tenho opinião formada.

 
Ver resultados
 
  
  
     Artigos
 
27/01/2020  - Confissão Qualificada no Homicídio
 
Por César Danilo Ribeiro de Novais, Promotor de Justiça do Tribunal do Júri e autor do livro “A Defesa da Vida no Tribunal do Júri”.

Em 1959, Tom Jobim e Newton Mendonça, num dos pontos altos da Bossa Nova, compuseram a música “Samba de uma nota só”: “Eis aqui este sambinha / Feito numa nota só / Outras notas vão entrar / Mas a base é uma só…”

Não raro, a tática defensiva do acusado perante os jurados é a confissão qualificada. Em seu interrogatório, quando confessa ser o autor do crime, apresenta estas velhas e surradas versões: (a) “(...) Daí ela, a vítima, colocou a mão na cintura, como se fosse puxar uma arma, daí eu me defendi...”; ou (b) “(...) Daí ela, a vítima, me xingou e/ou deu um tapa no meu rosto, o que me fez perder a cabeça e fazer isso aí...”. É o samba de uma nota só. É o enxerto da mentira na tentativa de engazopar o Conselho de Sentença em busca da impunidade (absolvição por legítima defesa ou condenação no homicídio privilegiado por ter “agido” sob o domínio de violenta emoção logo em seguida à injusta provocação da vítima). A função dessa estratégia de defesa é confundir os jurados no julgamento da causa. Visa infectar o processo penal de interesses tacanhos e nocivos à busca da verdade.

O Código Penal prevê a confissão espontânea como circunstância atenuante da pena. Tal benesse é fruto da colaboração para a descoberta da verdade. Por conseguinte, o acusado deve esclarecer as circunstâncias de fato da causa de modo completo e conforme a verdade para fazer jus à redução da sanção penal. Logo, não é qualquer confissão que autorizará a incidência dessa benesse legal.

Conforme o dicionário Houaiss, “confissão significa revelação de própria culpa, crime, pecado etc.”. Está diretamente ligada à ideia de arrependimento pelo mal praticado. São as vias intelectivas e as vias cordianas do agente revelando o mal praticado na sua inteireza, com sinceridade, sem maquiagem, sem falsidade ou desculpa esfarrapada.

Segundo o art. 389 do CPC, há confissão quando a parte admite a verdade de fato contrário ao seu interesse e favorável ao do adversário. Embora referida previsão legislativa não encontre idêntica reprodução na lei adjetiva penal, é inequívoco que tal conceito legal cabe como uma luva no processo penal (art. 3º do CPP).

Logo se vê que o escopo da referida atenuante é “premiar” o agente que se mostra claramente arrependido pelo que fez a partir de uma narrativa sincera, franca e honesta sobre os fatos na sua integralidade, e não apenas sobre o crime a seu bel-prazer (1). A redução da pena, então, é a contrapartida estatal pela admissão do acusado de fato contrário e prejudicial a si próprio, qual seja, a acusação apresentada pelo órgão acusatório.

Na maioria dos casos, basta analisar a prova oral e exercitar um mínimo de raciocínio lógico para repudiar a incidência da atenuante da confissão, pois o agente, apesar de admitir a autoria delitiva, afirma ter agido em estado de legítima defesa ou em violenta emoção logo em seguida à injusta provocação da vítima, o que, em regra, é desbragadamente falso, frente às provas do processo. Ou seja, ele busca a absolvição ou a redução da pena, calcado em versão antagônica ao conjunto probatório. Arrisca com a apresentação de versão distorcida dos fatos na esperança de ser por ela beneficiado. Não há colaboração na busca da verdade nem lealdade processual. Por isso, não pode ser beneficiado com a redução do quantum de pena pois alterou a verdade dos fatos visando proveito próprio.

Na verdade, o assassino, comme d’habitude, distorce os fatos mediante falsa narrativa, com olhos voltados exclusivamente à impunidade. Ele quer matar, decide matar, age para matar atacando a vida alheia, mas não quer pagar pelo malfeito e, por isso, mente para criar obstáculos à punição estatal. Apresenta, na realidade, uma pseudoconfissão, oriunda da ausência de animus confitendi – na confissão genuína, se pressupõe a vontade de dizer a verdade quanto aos fatos.

Como é sabido, a existência da atenuante em questão não depende de simples conduta objetiva, mas reclama um motivo moral e relevante, em que haja, especialmente, demonstração de arrependimento do agente e espírito de lealdade com a verdade processual, e sem buscar valer-se de circunstância que apenas o beneficie.

Assim, como a confissão se mostra divorciada da verdade com o único escopo de subtrair-se à responsabilidade penal justa, não se está diante de confissão plena, capaz de cooperar para a solução do processo e, por consequência, de reduzir a pena. Ora, ninguém - muito menos o assassino - pode ser beneficiado por lançar mão de artifício ou expediente astucioso, utilizado para induzir alguém a erro de entendimento (julgamento da causa).

Não bastasse isso, deve-se dar um zoom na Súmula 545 do Superior Tribunal de Justiça, que assim dispõe: “Quando a confissão for utilizada para a formação do convencimento do julgador, o réu fará jus à atenuante no art. 65, III, “d”, do CP”. Disso decorre que, ao repudiarem as teses da defesa (absolvição por legítima defesa e/ou homicídio privilegiado), quando da votação dos quesitos, os jurados, no exercício da soberania popular (art. 1º, da CF), não levaram em consideração a versão do acusado na construção dos veredictos e consequente julgamento da causa.

Logo, por outras palavras, o Conselho de Sentença não admitiu a tal confissão qualificada (2), que, por óbvio, não ostenta poder para atenuar a pena, conforme bem delineado na citada súmula. Entendimento contrário fere de morte o princípio da soberania dos veredictos, pois, ao analisarem e repudiarem as teses defensivas decorrentes de confissão qualificada, a lógica indica que os julgadores populares não a utilizaram para a solução da causa.

Por consequência, ao reconhecer referida circunstância atenuante na sentença condenatória, a presidência do Tribunal do Júri incorre em claro equívoco por desconsiderar a lógica por de trás dessa benesse legal e por violar a soberania dos veredictos, já que a maioria dos jurados rejeitou a tese defensiva, expressada pela confissão qualificada.

Em conclusão, quem escolheu atacar a vida alheia não pode, escorado em versão rejeitada pelos jurados, ser beneficiado pela atenuação da pena em razão do indevido reconhecimento de confissão espontânea. A impostura não deve ser tolerada – muito menos premiada - no ambiente forense, sobretudo quando se está diante de conduta que ataca o mais importante dos direitos humanos, qual seja, o direito de existir. Conclusão diferente importará em concordância com erro judiciário e impunidade, mediante cortesia com sangue alheio.

-------------------------
1 - São de Moacyr Amaral Santos as considerações sobre este móvel da parte para a confissão: “Se o confitente reconhece verdadeiros fatos contrários ao seu interesse, é porque sobre este prevalece o seu respeito pela verdade, seja impulsionado pelo amor ou consideração à própria verdade, seja por motivos outros que o impelem a ser verdadeiro e não passar por mentiroso. O principal fundamento da confissão é de ordem psicológica, consistente na regra moral que obriga a dizer a verdade” (SANTOS, Moacyr Amaral. Comentários ao Código de Processo Civil. 6ª ed. Rio de Janeiro: Forense, 1994, v.4, p. 99)

2 - No mesmo sentido, decidiu o STJ, no AgRG no Agravo em recurso especial 840.995/PR, julgado no dia 05/09/2019. Essa também é a posição da Corte Suprema: “A confissão qualificada não é suficiente para justificar a atenuante prevista no artigo 65, III, “d”, do CP” (STF - HC 119671, j. 05/11/2013).

Voltar


comente/critique essa matéria

 
Telefone

 Confraria do Jé ­ Rua 6, s/n�, CPA - Cuiab�/MT

  Produzido por Coltri Consultoria e Assessoria Organizacional
  www.coltri.com.br - fone: (65) 8404-0247
看着平平的胸部,让人说为“飞机场”丰胸产品,这种滋味真不好受。如何让A胸变为D胸呢?其实日常生活中有很多丰胸的食物丰胸达人,那么丰胸的食物有哪些呢?我们一起来看看吧酒酿蛋丰胸产品!为了更精确的爱护好女性的乳房,在此我们为您提供丰胸专家为您一对一免费指导!产后丰胸方法